Da Monarquia à República: momentos decisivos é uma obra de Emília Viotti da Costa, historiadora e ex-professora da Universidade de Yale. A obra em si é fruto de uma coletânea de estudos profundos sobre os momentos históricos capazes de trazer luz a uma questão bastante profunda de nosso país: como nos constituímos enquanto Brasil e brasileiro?

A densa pesquisa revela aquilo que hoje é terreno batido. Nossa formação e identidade étnica e cultural remonta a um passado bastante tenebroso, no qual interesses escusos disputaram entre si os espólios de nosso povo. A disputa de interesses começaram quando as navegações, financiadas pela Coroa portuguesa reivindicavam o monopólio dos mercados nascentes – e a Coroa apoiava tal medida para assegurar também o retorno de seu investimento – passando pela cooptação dos militares do período do Brasil Império pelas camadas sociais que desejavam o fim da monarquia. Sim, os militares, de tempos em tempos, se metem em política, e sempre com o fuzil na mão. Por isso, mas não apenas, não gosto dos militares, nem tampouco de nenhuma organização militar.

Esta formação, grosso modo, se deu alavancada pela difusão de ideais liberais que pregavam a liberdade do indivíduo, a propriedade privada e mobilidade social. Desde início, entretanto, nossos liberais já cagam no pau quando observamos que grande parte deles se via na constrangedora situação de não se posicionar contra a escravidão. Aliás, John Locke, famoso pensador liberal, possuía ações em uma companhia mercadora de escravos na África. Locke seria o famoso “liberal até a página dois”. Ou simplesmente um “pau no cu do caraio”, em bom português.

Desde sempre os liberais brasileiros estão na contramão do planeta Terra ao se aliar com pautas conservadoras de todos os tipos. No passado defendiam a escravidão e se colocaram contra a reforma agrária. Depois, através de um sistema social baseado na clientelagem e no compadrio, fundaram um modelo social capaz de expulsar os negros das posições de destaque, sem necessariamente cometer atos claros de racismo. Não para por aí, óbvio. Muitos se colocaram contra a Inconfidência Mineira ou apoiaram o Golpe Militar. Até mesmo os maçons brasileiros se aliaram a setores conservadores da Igreja Católica, algo impensável entre sua contraparte europeia.

Como a História não acabou no século 20, hoje vemos esse bando de liberalóide tosco fiscalizando como as pessoas transam, se posicionando contra a descriminalização da maconha, contra o aborto, apoiando o Golpe de 16 ou o Inominável JMB. A figura do Liberal Conservador cai como uma luva em um país de contradições tão latentes quanto o nosso.

Digo tudo isso porque um dos grandes ideais liberais do período iluminista que está expressos em diversos textos clássicos de autores como David Ricardo ou Montesquieu, é exatamente o enaltecimento das ciências, das artes, do conhecimento. Se formos tornar elásticos os conceitos, da pra encontrar ecos disto até mesmo no famosíssimo texto kantiano Was ist Aufklärung, quando este afirma que a emancipação humana será conquistada quando sairmos da tutela de outrem, o que será alcançado apenas com o uso público da razão.

Abre parênteses: o autor sabe que o conceito de Razão, em Kant, tem um significado bastante amplo e complexo. Porém, como foi citado, sua intenção é exatamente tornar elástico o conceito e provocar um debate controverso, inclusive entre eventuais kantianos. Fecha parênteses.

Daí que, quando eu, e mais um milhares – talvez milhões – de pessoas nos colocamos contra a PEC 241 dos gastos públicos, é porque não precisa ser um gênio para saber que, ao limitar os gastos públicos no nosso Brasil brasileiro, as primeiras áreas afetadas serão aquelas que nunca floresceram universalmente no país: educação e cultura. Na teoria nossa direita tosca vendeu a ideia de que seria uma ótima ideia achatar o orçamento para sanar as contas públicas. Na prática, foi avisado que o golpe seria com o Supremo com tudo. Daí nenhuma surpresa que uma Carmen Lucia saia mais caro para o país que nosso maior museu, hoje carbonizado. E se eu for dizer aquilo que penso de Carmen Lucia, não haveria tempo entre agora e o fim do mundo para eu rezar os Pai-Nosso e Ave-Maria necessários para salvar minha alma da condenação eterna.

A internet inteira está apontando o fato de que o incêndio do Museu era uma tragédia anunciada. E meu problema não é apontar para isso, que é óbvio, mas sim para os liberais toscos, como já fiz, por simplesmente emburrecer o debate público para sustentarem preconceitos, ignorância e idiotice.

Não é filosoficamente correto, mas eu preciso colocar essa tragédia na conta dessa galera que saiu fantasiado de Neymar seguindo o Pato Amarelo país afora pedindo a saída da Dilma e apoiando uma PEC congelando os gastos públicos. Eu sei que a maioria na época tinha boas intenções, mas de boas intenções o inferno está cheio, diz o ditado. Além do mais, repito, havia milhões de brasileiros gritando que isso ia dar merda. Deu. Agora eu sou o cara que precisa dizer: eu avisei, porra. Custava pensar dois minutos e perceber que aquilo ia dar merda? Pois é, custou. A burrice e a ignorância sempre custam caro demais.

E sem essa de que os governos Lula/Dilma eram iguais. Não eram. Quem diz isso é o site museus.gov ao apontar o fato de que entre 2001 e 2011, período dos governos petistas, o investimento em museus cresceu 980%. Claro que se você for um liberalóide tosco, não irá acreditar. E é esse comportamento que ataca minha gastrite nervosa: sua tolice e descaso para com a ciência, com os dados empíricos e objetivos. A mente dessa galera está preparada para negar qualquer coisa boa feita por Lula/Dilma.

Somente o Brasil mesmo para criar um liberal que não tem apreço pela ciência.

Já a esquerda… bom, ela está, em boa parte, preocupada em lacrar. Claro que há exceções. A classe artística de esquerda no país, por exemplo, sobe o morro e leva arte em cada viela desse país com saraus, grafite, orquestras, rap, oficinas. Em contrapartida, a classe científica está, como eu não canso de dizer, produzindo ciência para si mesmo. Em especial os meus colegas da área de Humanas.

Afinal de contas, porque diabos o povo brasileiro tem tanto descaso e desprezo pela ciência? Porque não lhes foi ensinado como ela é fantástica e maravilhosa. Claro que isso não é exclusividade brasileira. Uma das principais ofensas que Carl Sagan recebia da comunidade científica era o fato de que ele “desperdiçava” tempo divulgando ciência ao invés de se trancar em algum escritório-laboratório e fazer pesquisa.

Não preciso dizer que a pesquisa é importante. Óbvio que é. Mas educar cientificamente o povo para que este pressione o poder público a cuidar da ciência é sim, tarefa dos nossos cientistas de todas as áreas. Mas repito, há louváveis exceções. Faço questão de frisar que há exceções, porque via de regra a onda de ódio que me direcionam na internet vem da esquerda do lacre que não aceita ser questionada nunca, jamais.

A tragédia de nosso Museu de História Nacional é incalculável. Mas espera pra ver como estará seu filho daqui uns seis anos, estudando em escolas que não recebem o mínimo necessário para se sustentar. Espera seu pai ter câncer e você perceber que não existe SUS e você, mesmo em três empregos, não consegue pagar plano de saúde, já que nosso digníssimo STF tornou legal a terceirização irrestrita do trabalho.

Este incêndio me fez chorar, literalmente, após um período em choque. Mas ele é apenas o prenúncio de tempos realmente selvagens e violentos. Então pelamordedeus, para de tolice e comece a realmente pensar com o cérebro. Isso não quer dizer votar no Lula ou apoiar o PT, ou a esquerda, óbvio. Quer dizer apenas isto: pense, e mude esse país tão maltratado.

Simples assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

CATEGORIA

Filosofia

Tags

, , , , , ,